Pesquisas Econômicas

As principais funções do departamento são:

  • Analisar em profundidade a situação política e macroeconômica brasileira assim como as tendências dos principais setores da economia.
  • Providenciar informação com o intuito de prestar suporte estratégico ao banco 
  • Atender os clientes locais e estrangeiros através de reuniões, conference calls e análises específicas.

Acompanhe aqui os principais relatórios da nossa equipe de Pesquisas Econômicas. Além disso, nossos economistas acompanham as economias de outros países da América Latina (Argentina, México, Chile, Peru e Colômbia) e a realizar previsões mensais sobre suas moedas.

Você pode conferir alguns desses reports clicando nos links abaixo:

Ranking FocusEconomics

Nossa equipe de Pesquisas Macroeconômicas conquistou o 3º lugar geral de indicadores brasileiros no último ranking global da FocusEconomics. Esses prêmios reconhecem as equipes de pesquisa que mais precisamente previram os principais indicadores macroeconômicos em 89 países, com 22 preços diferentes de commodities, em 2019. Para identificar os principais analistas econômicos, a FocusEconomics avaliou a precisão das previsões enviadas por mais de 350 instituições à sua previsão de consenso, ao longo de 22 meses. Clique aqui para saber mais.

RELATÓRIO ECONÔMICO MENSAL - SETEMBRO 2021

1. Governo

  • Tensão política aumenta com discurso forte do presidente
  • Mas, governo lança nota reduzindo o ruído
  • Congresso retoma agenda econômica
  • Mas o risco de crise fiscal ainda está presente

2. Atividade econômica

  • Mantivemos nossa projeção para o PIB de 2021, mas revisamos o crescimento trimestral
  • Revisamos para baixo nossa projeção de crescimento do PIB em 2022 de 2,1% para 1,7%

3. Política Monetária

  • Banco Central manteve seu tom mais agressivo
  • Política monetária está passando de expansionista para restritiva
  • Vemos Banco Central elevando a taxa Selic em 8,50% até fevereiro de 2022, encerrando o ciclo de aperto monetário

4. Setor Externo

  • Real teve desempenho inferior ao da maioria de seus pares
  • Ambiente externo adverso, juntamente com tensão política e risco fiscal explicam o resultado
  • Continuamos um pouco construtivos, esperando a taxa de câmbio de final de ano em 5,10

Para acessar o relatório na íntegra, clique aqui.